Irã não confirma deportação do filho de Bin Laden

O governo iraniano afirmou nesta segunda-feira ter detido e deportado dezenas de pessoas que se infiltraram por meio de sua fronteira oriental, mas não pôde confirmar versões da imprensa segundo as quais entre eles estava um dos filhos de Osama bin Laden, líder do grupo terrorista Al-Qaeda. Hamid Reza Asefi, porta-voz do ministério de Relações Exteriores, disse que não foi possível verificar as identidades das pessoas que tentaram cruzar a fronteira ilegalmente, pois "a maioria dos documentos era falsa". Ao ser indagado sobre se um dos 23 filhos de Bin Laden estava entre os deportados, Asefi disse não ter condições de confirmar a versão. No sábado, o site na Internet do prestigioso jornal financeiro Financial Times disse, citando funcionários do Irã não-identificados, que as forças de segurança desse país haviam detido um dos filhos de Bin Laden entre centenas de pessoas suspeitas de estarem vinculadas à Al-Qaeda, a rede terrorista considerada responsável pelos atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA. O vice-presidente do Irã, Mohammad Ali Abtahi, disse no domingo à Associated Press que estava a par da versão, mas que não podia confirmá-la.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.