Carlos Barria/Reuters
Carlos Barria/Reuters

Irã nega acesso da ONU a militares e cientistas, complicando acordo nuclear

Segundo chefe da AIEA, inspetores devem concluir estudo sobre o programa iraniano até meados de outubro

O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2015 | 19h53

NOVA YORK - O Irã rejeitou que inspetores da ONU entrevistassem militares e cientistas para investigar alegações de que Teerã mantinha um programa secreto de armas nucleares, disse o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano.

A posição do Irã dificulta a investigação da AIEA sobre suposto programa militar nuclear iraniano - um estudo que está programado para ser concluído até meados de outubro, conforme exigido pelo acordo nuclear firmado entre as potências mundiais e o Irã em 14 de julho, em Viena.

A AIEA vem tentando há mais de cinco anos interrogar Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, um militar iraniano que EUA, Israel e AIEA suspeitam ter supervisionado os trabalhos de armamento em Teerã até pelo menos 2003.

Amano disse que Teerã ainda não concordou em deixar Fakhrizadeh-Mahabadi ou outros oficiais iranianos e cientistas nucleares ajudar a AIEA a concluir sua investigação. Ele disse acreditar que sua agência poderia completar sua investigação mesmo sem acesso ao pessoal do primeiro escalão iraniano. O Irã nega ter um programa secreto de armas nucleares. / Dow Jones Newswires

Tudo o que sabemos sobre:
IRÃACORDO NUCLEARCIENTISTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.