Irã nega denúncia de que tem apoiado milícias no Iraque

O Irã rechaçou nesta terça-feira as denúncias de que tem equipado e treinado milícias xiitas no Iraque, sob suspeita de impor sua influência política no país vizinho. O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast, chamou as denúncias de "suspeitas" e "diabólicas". "Há sérias dúvidas sobre as intenções e objetivos das revelações", afirmou o porta-voz.

AE-AP, Agência Estado

26 de outubro de 2010 | 12h35

As denúncias foram levantadas após a divulgação de documentos confidenciais pelo site WikiLeaks, famoso por divulgar esse tipo de material. Mehmanparast disse, porém, que "as afirmações e acusações são inaceitáveis. Esta é uma iniciativa diabólica". Segundo ele, Teerã enfrentará essas "imoralidades". Não foi especificada, porém, qual será a reação do país. O Irã nega as acusações e afirma buscar apenas a paz e a estabilidade no Iraque.

Os documentos também afirmam que três norte-americanos detidos no Irã em julho de 2009 por suposta entrada ilegal estavam na parte iraquiana da fronteira no momento da captura. Dos três, Sarah Shourd já obteve liberdade condicional após pagar fiança e deixou o país. A data marcada para o julgamento do trio é 6 de novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.