Irã nega que haja decisão final sobre condenação de Ashtiani

Segundo porta-voz, processo da mulher condenada por adultério ainda não foi finalizado; pena pode ser apedrejamento ou enforcamento.

BBC Brasil, BBC

28 de setembro de 2010 | 08h48

Processo da iraniana condenada por adultério não foi finalizado

O governo iraniano afirmou nesta terça-feira que ainda não há uma decisão final sobre o caso de Sakineh Mohammadi Ashtiani, que pode ser morta por apedrejamento sob a acusação de adultério e assassinato.

"O processo judicial ainda não foi finalizado e a condenação será divulgada depois de uma revisão completa do caso", disse o porta-voz do Ministério do Exterior iraniano, Ramin Mehmanparast, em entrevista coletiva.

Nessa segunda-feira, o procurador-geral do país, Gholam-Hossein Mohseni-Ejei, havia dito que a acusação por assassinato teria precedência sobre a de adultério, o que gerou especulações de que a iraniana seria enforcada, e não apedrejada.

Ashtiani, 43 anos e mãe de dois filhos, é acusada de participação no assassinato de seu marido e de adultério - o que é considerado crime no país. Pelo adultério, ela foi condenada pela Justiça à morte por apedrejamento.

Por participar da morte do marido, Ashtiani havia sido sentenciada à morte por enforcamento, pena que foi comutada em 10 anos de prisão por um tribunal de apelações. No entanto, com a revisão do processo, a condenação por assassinato voltou a ser discutida.

O caso ganhou repercussão internacional, com o Irã sofrendo fortes críticas por violar os direitos humanos. O Brasil chegou a oferecer asilo a Sakineh, o que foi rejeitado pelo governo iraniano.

Na semana passada, em Nova York, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, criticou a mídia ocidental pelo enfoque dado para o caso de Ashtiani no noticiário.

No último dia 8, o governo do Irã anunciou a suspensão da execução de Ashtiani, assim como a revisão de seu processo judicial.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.