Irã nega que regime sírio usou armas químicas

O Irã rejeitou as alegações de que o regime sírio, seu principal aliado na região, usou armas químicas na quarta-feira e alegou que, se tal ataque for provado, os rebeldes devem ser os responsáveis.

AE, Agência Estado

22 Agosto 2013 | 07h53

"Se a informação referente ao uso de armas químicas for correta, definitivamente elas foram usadas por grupos terroristas (...) que têm mostrado que não vão deixar de cometer crimes", disse o ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, segundo a agência de notícias IRNA. O ministro fazia referência aos rebeldes que estão travando uma dura batalha contra as forças do regime do presidente Bashar Assad na Síria.

"Com os inspetores (de armas químicas) das Nações Unidas agora em Damasco e o governo sírio no processo de conter os terroristas, por que ele cometeria tal ato?", perguntou ele.

Zarif disse que Teerã "condena vigorosamente qualquer uso de armas químicas", ao mesmo tempo em que acusa os rebeldes de ter "todo o interesse em agravar e internacionalizar a crise".

O principal grupo de oposição da Síria, a Coalizão Nacional, acusou o governo de "massacrar" mais de 1.300 pessoas em ataques com armas químicas na quarta-feira.

A acusação, que foi fortemente negada por Damasco, ocorreu com a viagem de uma equipe de inspetores da ONU à Síria para investigar alegações anteriores de uso de armas químicas.

Mais conteúdo sobre:
síriaarmas químicasirã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.