Irã oferece nova relação aos EUA

Ahmadinejad diz que Teerã é capaz de esquecer o passado e quer resolver o problema de seu programa atômico

REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

16 de abril de 2009 | 00h00

Após vários sinais de abertura do governo de Barack Obama, o presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, prometeu ontem lançar as bases para uma nova relação com o Ocidente e alterar o curso das negociações sobre o polêmico programa nuclear de Teerã. O Irã está preparando um "pacote que servirá de base para resolver seu problema nuclear", disse Ahmadinejad em um discurso feito em Kerman, sudeste do país, e transmitido pela TV oficial iraniana em rede nacional.Ahmadinejad adotou um tom conciliatório sem precedentes em seus quase quatro anos à frente do governo iraniano. "Eles (os EUA) disseram que querem resolver as questões por canais diplomáticos e nós achamos isso excelente", afirmou. O presidente iraniano completou que "o Irã é capaz de esquecer o passado e iniciar uma nova era" e pediu um diálogo com base na "justiça" e no "respeito".O anúncio foi feito horas antes de a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, encontrar-se com o chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Javier Solana, para discutir o programa nuclear do Irã (mais informações na página 12).Ahmadinejad disse que "as circunstâncias mudaram", em aparente referência à eleição de Obama e ao estágio avançado em que supostamente se encontra o programa nuclear iraniano. O Irã diz ter alcançado o domínio completo do ciclo de enriquecimento de urânio - da extração do minério à produção de combustível nuclear. Na terça-feira, o governo iraniano inaugurou uma usina em Isfahan, centro do Irã, de produção de combustível para um reator de água pesada, estágio final no enriquecimento de urânio. A tecnologia pode servir tanto para a fins militares quanto para civis. Os EUA, aliados europeus e Israel acreditam que, sob o disfarce de um programa civil, Teerã tenta obter armas nucleares. O Irã, quarto produtor mundial de petróleo, mas sem infraestrutura para refino, afirma que o objetivo de seu programa nuclear é produzir energia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.