Irã: papelada e despesas provocaram desvio de avião

O Irã ordenou que um avião comercial fretado pela coalizão militar no Afeganistão, liderada pelos Estados Unidos, aterrissasse sexta-feira no país para que pagasse despesas e preenchesse alguns documentos, informou neste sábado um integrante do comitê parlamentar de segurança nacional e política externa.

Estadão Conteúdo

06 de setembro de 2014 | 12h37

Mansour Haghighatpour foi a primeira autoridade a falar sobre o desvio de um avião fretado da empresa de baixo custo flydubai.

A aeronave, que havia partido da base aérea de Bagram, ao norte de Cabul, e ia para Dubai, recebeu permissão para partir após várias horas em solo em Bandar Abbas, sul do Irã. A trajetória de voo atravessa o espaço aéreo iraniano.

"O avião recebeu ordens para aterrissar, para pagar despesas relativas ao voo e preencher a documentação para continuar seu percurso", declarou Haghighatpour, segundo a agência semioficial de notícias Fars. "Os americanos deveriam saber que o Irã defende fortemente seu território em terra, mar e ar. Eles deveriam observar as medidas internacionais a este respeito. Caso contrário, enfrentarão atitudes como esta."

Jasem Jaderi, governador da província de Hormozgan, da qual Bandar Abbas é a capital, disse ao site de notícias iraniano yjc.ir que dos 140 passageiros do voo desviado, 110 eram norte-americanos.

O Irã entrou em contato por rádio com a tripulação da aeronave para dizer que eles não tinham documentação apropriada e que retornassem a Bagram, informou um funcionário norte-americano na sexta-feira. Os pilotos disseram que não tinham combustível suficiente para retornar, então as autoridades iranianas disseram que eles deveriam pousar no Irã.

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Marie Harf, descreveu posteriormente a causa do desvio como "questão burocrática" com o plano de voo do avião.

Um funcionário da companhia aérea, que falou em condição de anonimato, confirmou que o avião pousou em segurança na manhã deste sábado e que "a causa do desvio está sendo examinada".

A flydubai, assim como a Emirates, é de propriedade do governo do emirado de Dubai, um dos sete Estados que compõem os Emirados Árabes Unidos.

A companhia aérea tem voos regulares para dezenas de destinos e ocasionalmente opera voos fretados. No mês passado a empresa anunciou o início de seus primeiros voos regulares para o Irã, que têm como destino a capital Teerã e a cidade de Mashhad, no nordeste do país. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.