Irã pede condições justas para retomar negociações sobre programa nuclear

Segundo rádio estatal , Mottaki reafirmou que o país pretende usar a energia nuclear para fins civis

estadão.com.br,

23 de setembro de 2010 | 09h12

NOVA YORK - O ministro de Relações Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki, disse nesta quinta-feira, 23, que seu país quer condições justas para retomar a negociação do programa nuclear iraniano com o Grupo de Viena ( Rússia, EUA, França e a Agência Internacional de Energia Atômica).

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

Na quarta-feira, as potências nucleares indicaram que esperam uma retomada rápida das negociações, abandonadas há quase um ano.

Segundo a rádio estatal iraniana, Mottaki reafirmou que o país pretende usar a energia nuclear para fins civis. "As negociações só podem ser bem sucedidas se forem justas e reconhecerem o direito do Irã ao uso pacífico da energia nuclear", disse Mottaki.

Ontem, representantes do Grupo de Viena e do Irã se reuniram em Nova York. De acordo com fontes do governo americano, as autoridades iranianas deram sinais de boa vontade, mas ajustes ainda são necessários.

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas. Teerã nega tais alegações.

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirraram no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

Leia ainda:

linkRússia cancela venda de armas para o Irã

linkBrasil e emergentes querem que ONU condene sanções unilaterais

Com Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
impasse nuclearIrãGrupo de Viena

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.