Irã pede novas propostas sobre programa nuclear

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, pediu, neste domingo, novas propostas das grandes potências para as negociações sobre o programa nuclear do país, que devem ser retomadas no próximo dia 15. Zarif disse que a oferta anterior, elaborada pelo grupo P5 +1 (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) em duas reuniões em fevereiro e abril deste ano, antes da eleição do presidente Hasan Rohani, em junho, já não é mais válida.

Agência Estado

06 de outubro de 2013 | 10h13

"A oferta anterior, o P5 +1 é história e eles devem vir para a mesa de negociações com uma nova abordagem", disse Zarif à agência de notícias ISNA. As propostas anteriores exigem a suspensão do enriquecimento de urânio a 20% em troca de uma redução das sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia. No entanto, o Irã alega que utiliza o urânio enriquecido para fins médicos e para a geração de energia.

A chefe de política externa da União Europeia, Catherine Ashton, que representa as seis potências nas negociações, disse, à margem da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) no mês passado, que ela ainda esperava a resposta do Irã sobre as antigas propostas.

Depois de conversas com os ministros de Relações Exteriores dos seis países em Nova York, no último dia 27, Zarif disse que espera chegar a um acordo dentro de um ano para acalmar s preocupações internacionais sobre as ambições iranianas.

Neste domingo, ele insistiu que um acordo pode ser alcançado para atender às preocupações de ambos os lados. "Nosso objetivo é dominar a energia nuclear para fins pacíficos, incluindo o enriquecimento de urânio em nosso solo", disse ele. "O objetivo é manter o programa nuclear do Irã pacífico para sempre. Devemos encontrar uma maneira de atingir ambos os objetivos ao mesmo tempo". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.