Irã pede solução negociada para guerra civil na Síria

O governo do Irã fez um apelo nesta quinta-feira ao governo sírio e aos insurgentes a abrirem negociações de paz. O Irã hospeda nesses dias um encontro internacional sobre o conflito civil em seu aliado árabe. O ministro das Relações Exteriores do Irã, Ali Akbar Salehi, disse aos diplomatas da Rússia, Paquistão, Afeganistão, Cuba, Venezuela e outros países que Teerã está preparada para ser anfitriã também do diálogo entre o presidente sírio Bashar Assad e os líderes da oposição, reporta a agência France Presse (AFP).

AE, Agência Estado

09 de agosto de 2012 | 16h10

Salehi disse que o Irã se opõe a "qualquer interferência militar e estrangeira para a solução da crise síria" e apoia os esforços da Organização das Nações Unidas (ONU) para acabar com a carnificina. Não existem indicações de que Teerã esteja reduzindo seu forte apoio ao governo de Assad, ao qual forneceu armas e homens na repressão aos insurgentes desde que a revolta estourou em março do ano passado. Na terça-feira, um enviado especial do líder máximo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, Saed Jalili, disse a Assad em Damasco que o Irã está comprometido com a Síria.

A partir do dia 26 de agosto, o Irã irá presidir a conferência do Movimento dos Países não Alinhados (MNA), uma organização que reúne 120 países e é remanescente da Guerra Fria. Embora alguns países de peso, como Índia e África do Sul, ainda participem da organização, a maioria dos integrantes são países andinos da América do Sul, a totalidade dos países africanos, Oriente Médio, sul e sudeste da Ásia. Brasil, Argentina, México e China são membros observadores do MNA.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.