Irã pode discutir inspeções com agência atômica

Reagindo à pressão internacional para que abra suas instalações atômicas à vistoria incondicional de organizações estrangeiras, o governo iraniano anunciou hoje que não permitirá inspeções mais detalhadas de seu programa atômico. Mas, ao mesmo tempo, o encarregado do departamento de energia atômica do Irã, Gholamreza Aghazadeh, se disse disposto a discutir o tema das inspeções com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Aghazadeh, no entanto, deixou claro que não permitirá que inspetores vistoriem as instalações da Companhia Elétrica Kalaye, em Teerã. "Estamos reiterando à AIEA que aquela é uma instalação não nuclear", afirmou, acrescentando que a autorização para que a companhia seja inspecionada abriria caminho para uma série de pedidos semelhantes. "Estamos otimistas quanto a firma de um protocolo adicional (sobre as condições das inspeções), mas existem ambigüidades que devem ser esclarecidas", disse Aghazadeh. "O Irã estudará os pedidos da AIEA e deseja começar as discussões com essa agência o quanto antes." Na Jordânia, o chefe da AIEA, Mohamed el-Baradei, declarou estar confiante de que o Irã reconhecerá rapidamente que é de seu melhor interesse trabalhar com a comunidade internacional para tornar claro seu programa atômico. "Quanto mais cooperativos eles forem, quanto mais transparentes e mais confiança criarem na comunidade internacional, mais rapidamente resolveremos as dúvidas sobre a questão nuclear do Irã", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.