Irã pode revisar colaboração com AIEA se for sancionado

O porta-voz do Ministério de Exteriores iraniano, Mohamad Ali Hosseini, advertiu neste domingo que se o Conselho de Segurança da ONU aprovar uma resolução contra o Irã, o país revisará sua colaboração com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)."Se o Conselho de Segurança aprovar uma resolução contra a República Islâmica do Irã, Teerã revisará sua colaboração com a AIEA", afirmou Hosseini em sua entrevista coletiva semanal, transmitida pela televisão pública.O porta-voz de Exteriores acrescentou que as decisões que o Irã tomar dependerão do que acordarem os países do Grupo 5+1, composto por Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido (as cinco potências nucleares) e Alemanha.Hosseini criticou também a recente posição de Alemanha, França e Reino Unido a respeito da questão nuclear iraniana e disse que a minuta de resolução elaborada por estes três países europeus "se aproxima da posição dos EUA".O diplomata iraniano assinalou que os três países europeus escolheram um caminho ruim e que o "mais correto é o diálogo". No entanto, Hosseini rejeitou qualquer tipo de diálogo bilateral entre Teerã e Washington e acrescentou que "a posição dos EUA é a de um náufrago que impõe condições para sua própria salvação".O porta-voz iraniano reiterou que o Irã não observa mudanças nas políticas dos EUA, sobretudo no que concerne ao prolongamento das sanções contra seu país e às pressões exercidas pelo Grupo 5+1 durante as negociações.Em relação às acusações de ingerência na política interna libanesa, Hosseini respondeu que seu país tem "relações claras e transparentes com o Líbano e não se envolve nunca em seus assuntos internos".Por outra parte, o representante iraniano assegurou que os temores expressados por alguns países do Golfo Pérsico sobre o programa nuclear iraniano são inundados. "A central de Bushehr dispõe de todas as medidas de segurança e conta com o aval da AIEA", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.