Irã pode ter arma nuclear em 10 anos, dizem EUA

O diretor do Serviço Nacional de Inteligência (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, John Negroponte, disse acreditar que o Irã poderá ter armas nucleares nos próximos dez anos. "A estimativa que nós fizemos é que, entre o início e o meio da próxima década, eles podem estar em uma posição de ter uma arma nuclear, o que é causa de grande preocupação", disse Negroponte nesta quinta-feira em entrevista ao programa "Today", da rádio BBC.O chefe da NSA fez o comentário um dia depois de firmado um acordo entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, mais a Alemanha, sobre uma proposta para convencer Teerã a congelar seu programa de enriquecimento de urânio.Segundo declarações da chancelaria britânica nesta quinta-feira, caso o Irã não aceite a proposta, os novos passos da negociação serão tomados no Conselho de Segurança da ONU - órgão com autoridade para impor a adoção de sanções e medidas militares. A informação, no entanto, foi negada pelo ministro do Exterior russo, Segei Lavrov. Para ele, o acordo de Viena implica no abandono de um possível uso de força contra Teerã.DeterminaçãoNa entrevista, Negroponte disse acreditar que o Irã "está determinado a desenvolver armas nucleares", mesmo sendo um signatário do Tratado de Não-proliferação de armamentos nucleares.Para o analista diplomático da BBC Jonathan Marcus, no entanto, as previsões de Negroponte devem ser confrontadas com os relatórios de inteligência sobre o Irã, que costumam ser sempre incompletos.Para Marcus, ainda não está claro quais sãos as verdadeiras ambições nucleares do governo iranaiano.Ainda segundo Negroponte, o Irã é um dos maiores financiadores do terrorismo. "Eles (os iranianos) são o principal Estado patrocinador do terrorismo no mundo. O comportamento deles tem sido causa de preocupação não apenas no Líbano, em Israel e nos territórios palestinos, mas também no Iraque."ErrosO diplomata também admitiu que o serviço de inteligência americano cometeu erros ao avaliar a capacidade nuclear do Iraque, mas acrescentou que lições foram aprendidas e medidas corretivas, tomadas."Acho que aprendemos muitas lições desde o 11 de Setembro, assim como a partir dos erros cometidos antes da guerra com o Iraque em relação às armas de destruição em massa", disseCriseA crise nuclear com o Irã começou em 2003 quando os inspetores da Agência Nuclear da ONU (AIEA) comunicaram que o país havia ocultado um programa de enriquecimento de urânio por 18 anos.O governo iraniano alega que o programa é usado para fins pacíficos, mas a comunidade internacional teme que Teerã esteja tentando desenvolver uma arma nuclear. Este texto foi alterado às 15h37 de 02/06/2006

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.