Irã pode usar excedente de urânio como moeda de troca

O presidente do parlamento iraniano, Ali Larijani, afirmou nesta quarta-feira que o Irã tem mais urânio enriquecido do que precisa e planeja utilizá-lo como moeda de troca durante negociações nucleares em Genebra, na próxima semana.

AE, Agência Estado

09 de outubro de 2013 | 18h21

Em entrevista exclusiva à Associated Press, Larijani disse que o excesso de urânio será levado à discussão com líderes do Ocidente sobre se o Irã deveria interromper a produção de urânio enriquecido a 20%, concessão importante nas negociações.

"Durante o processo de negociação, sim, as coisas podem ser ditas e discutidas sobre esse assunto", disse, às margens de uma reunião mundial de parlamentares.

O enriquecimento de urânio a 20% é mais próximo do material de ogiva do que do nível necessário para a produção de energia nuclear, mas Larijani afirmou que o país precisa enriquecimento maior apenas para energia, pesquisas e para tratamentos médicos, não para armas nucleares.

O parlamentar iraniano argumentou que seu país enriquece urânio por conta própria porque a Agência Nacional de Energia Atômica não fornece o produto. "Mas temos algum excesso, uma quantidade que não precisamos e sobre esse excesso que podemos discutir", afirmou ele.

O Irã pretende negociar sobre seu programa nuclear na próxima semana com os EUA, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha.

"Eles estão ligeiramente pessimistas e com posição formada, mas apoiamos Rouhani. Com boa disposição ele terá apoio do Parlamento (nas negociações nucleares), afirmou Larijani.

Na terça-feira à noite, autoridades próximas ao assunto no Irã informaram que o país prepara um pacote de propostas sobre seu programa nuclear que deve ser apresentado à reunião em Genebra. Em troca, Teerã vai voltar a pedir que os EUA e a União Europeia iniciem um processo de redução nas sanções que levaram o país a ficar praticamente sem acesso ao sistema de financiamento externo e isolou sua indústria de petróleo, informaram autoridades.

O pacote do novo governo de Hasan Rouhani pode revitalizar as negociações sobre o programa nuclear do Irã que estão paralisadas há muito tempo e dar sustentação para reduzir as tensões nas relações entre Washington e Teerã.

Tudo o que sabemos sobre:
IRÃPROGRAMA NUCLEAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.