Irã poderá manter enriquecimento em baixa escala, afirmam diplomatas

As potências mundiais envolvidas nas negociações sobre o programa nuclear iraniano estão dispostas a desistir das demandas para que o Irã estabeleça uma moratória de longo prazo no enriquecimento de urânio, pedindo apenas que a suspensão seja mantida durante as negociações, informaram diplomatas a par das negociações nesta quarta-feira. Em outra concessão, o Irã terá permissão para fazer a conversão do urânio - um dos passos que antecedem o enriquecimento - caso concorde em participar das negociações multilaterais, disseram os diplomatas, em condição de anonimato. A mudança na postura em relação às demandas de longo prazo são um sinal de que a comunidade internacional pode aceitar algumas formas limitadas de enriquecimento de urânio, apesar dos temores de que o processo possa levar à criação de ogivas nucleares.Desde o início das negociações entre as nações européias e o Irã, os europeus e os Estados Unidos impuseram uma moratória de longo prazo nessa atividade como precondição para as negociações. Ainda assim, de acordo com um dos diplomatas, a suspensão indefinida das atividades continua sendo o objetivo principal das seis nações que aprovaram o pacote de benefícios, apresentado na terça-feira ao Irã pelo representante de política externa da União Européia, Javier Solana.Suspensão temporáriaEm declaração nesta quarta-feira, Solana afirmou que a questão do enriquecimento terá que ser retomada após o término das negociações. E indicou que o Irã poderá voltar a enriquecer urânio após um acordo."A princípio, eles terão que suspender agora, pois nós não iremos negociar caso o processo de enriquecimento continue", disse ele em entrevista na cidade alemã de Potsdam. "Após o término das negociações, veremos o que irá acontecer".Solana acrescentou que não há um "prazo definido" para a aceitação da oferta de incentivos, mas disse esperar que a resposta iraniana venha em "semanas".Caso não aceite a proposta, o Irã poderá enfrentar sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU, alertou autoridades francesas nesta quarta-feira. Mas, para o ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, Moscou só apoiará sanções caso Teerã viole o Tratado de não-proliferação Nuclear.Segundo as fontes, a Alemanha - um dos países que participou da criação do pacote de incentivos apresentados ao Irã - defende a possibilidade de que Teerã seja permitido a enriquecer urânio em pequena escala.Esta visão é compartilhada pelo chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, Mohamed ElBaradei. Ele argumenta que, como o Irã já atingiu o enriquecimento em pequena escala, seria contraproducente pedir que o país desista dessas atividades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.