Irã prende dois estrangeiros por investigar caso Sakineh

Segundo Associação de Jornalistas da Alemanha, ambos os detidos são de seu país

Agência Estado, com Associated Press e Dow Jones

11 de outubro de 2010 | 12h52

TEERÃ - A agência estatal iraniana IRNA informou nesta segunda-feira, 11, que dois estrangeiros foram presos no país, acusados de se disfarçarem de jornalistas para investigar o caso de Sakineh Mohammadi Ashtiani. A iraniana foi condenada à morte por apedrejamento, por supostamente ter cometido adultério.

A IRNA citou um porta-voz do Judiciário iraniano, Gholam Hossein Mohseni Ejehi, segundo o qual a prisão ocorreu enquanto a dupla entrevistava o filho de Sakineh. O caso da iraniana gerou críticas internacionais contra Teerã.

Ejehi não divulgou os nomes nem as nacionalidades dos dois estrangeiros. Em Berlim, porém, a Associação de Jornalistas Alemães disse que os dois detidos são do seu país. O sindicato não informou os nomes deles, mas exigiu que o Irã liberte ambos imediatamente.

 

A matéria da agência estatal dizia, a partir das informações do porta-voz, que os dois estrangeiros chegaram ao país com vistos de turista e sem documentos para provar que eram jornalistas. Um promotor público, Gholam Hossein Mohseni Ejeie, disse à imprensa local que os dois estrangeiros detidos são alemães.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãSakinehprisãoestrangeiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.