Irã prende dois suspeitos de atentado em região de minoria curda

Ao menos 12 civis morreram e mais de 50 ficaram feridos em ataque na quarta-feira

Efe,

23 de setembro de 2010 | 09h27

TEERÃ - A polícia iraniana deteve duas pessoas por suposta relação com o atentado realizado na quarta-feira, 22, em Mahabad, no noroeste do país, onde 12 civis morreram e mais de 70 ficaram feridos, informou nesta quinta-feira o canal de televisão estatal "IRIB".

As detenções aconteceram na quarta-feira à noite, segundo a fonte, que não deu mais detalhes e se limitou a dizer que os responsáveis pelo ataque foram "elementos antirrevolucionários" não identificados.

O ataque aconteceu durante um desfile na localidade de Mahabad, no Curdistão iraniano, em uma data muito visada, já que começava em todo o país a denominada "semana anual da defesa Sagrada", durante a qual o Governo costuma mostrar seu poderio militar e que relembra o fim da guerra com o Iraque (1980-1988).

Segundo o "IRIB", pouco após o início do desfile militar, "uma bomba acionada com temporizador" explodiu entre a multidão que participava do ato.

Mahabad está no coração do Curdistão iraniano, e ao longo da história teve um papel de alto valor simbólico como capital da efêmera República Autônoma Curda (1946).

Nesta região fronteiriça iraniana costumam atuar movimentos separatistas curdos como o Partido para uma Vida Livre no Curdistão Iraniano (PJAK), cisão do principal grupo independentista curdo, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

O PJAK retomou a atividade militar ao longo de 2009, quando realizou vários atentados, causando mortes, no noroeste do Irã. Meses atrás, as autoridades iranianas executaram cinco supostos rebeldes curdos. Até o momento nenhum grupo requisitou a autoria do atentado.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãatentadocurdos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.