Bloomberg photo by Ali Mohammadi
Bloomberg photo by Ali Mohammadi

Irã prende responsável por gravar vídeo de avião sendo abatido

De acordo coma Guarda Revolucionária, a prisão faz parte das investigações sobre o caso

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2020 | 05h00

A pessoa que gravou um vídeo mostrando o momento em que um míssil abateu o avião ucraniano ao sul de Teerã foi presa, segundo a base de Sar-Allah da Guarda Revolucionária. 

O centro militar emitiu uma declaração, coletada por meios oficiais nas últimas horas, que explica que após a publicação dessas imagens resolveu  "identificar" seu autor. 

A detenção está enquadrada, de acordo com a base de Sar-Allah, nas investigações das "causas e fatores envolvidos no incidente aéreo", nas quais 176 pessoas morreram. 

Não está clara a situação do detido, cujo vídeo mostra uma espécie de relâmpago no céu e foi publicado pela primeira vez pelo New York Times, e se essa prisão é uma das várias anunciadas ontem pelo judiciário iraniano. 

As investigações estão sendo "exaustivas e alguns indivíduos foram presos", disse Gholamhosein Esmaili, porta-voz do Poder Judiciário, que não detalhou o número de prisões ou a identidade dessas pessoas. 

Por sua parte, o presidente iraniano, Hasan Rohaní, enfatizou que "você não pode culpar um único indivíduo" porque, disse ele, a culpa não é apenas da pessoa que apertou o botão e disparou, mas "há outras". 

Devido à controvérsia gerada, Rohaní pediu ao Judiciário que forme "um tribunal especial com um juiz de alto escalão e dezenas de especialistas" para investigar o caso. 

O Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines, que cobria a rota Teerã-Kiev, foi abatido logo após decolar do Aeroporto Internacional Imam Joemini em Teerã quando foi confundido com um míssil de cruzeiro, segundo a Guarda Revolucionária Iraniana. 

Os 176 passageiros e tripulantes que estavam a bordo, muitos deles iranianos, morreram, o que gerou uma onda de descontentamento entre a população iraniana. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.