Irã proíbe a entrada do chefe da missão da AIEA

O Irã pediu à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para que remova o chefe da equipe de inspeção que investiga o programa nuclear de Teerã, informaram funcionários da ONU. O inspetor da missão da AIEA, Chris Charlier, não pode entrar no Irã desde abril, porque os iranianos estão descontentes com seu trabalho e suas críticas ao governo. Contudo, Charlier permanece sendo o chefe da equipe, disseram os funcionários.O jornal alemão Welt am Sonntag informou na edição deste domingo que o belga Charlier havia sido removido de seu posto e assumido outros trabalhos. O diário alemão disse ainda que Charlier acredita que o Irã está operando um programa nuclear clandestino e sugerindo uma ligação com um programa de armas. Porta-vozes da AIEA em Viena não quiseram comentar esta matéria. Charlier, de 61 anos, havia anteriormente reclamado publicamente que as restrições iranianas tornaram o trabalho de inspeção difícil. Uma alta fonte da ONU sugeriu que esse foi, em parte, um dos motivos porque o chefe da missão não era mais bem-vindo em Teerã, dizendo que autoridades iranianas "vêm reclamando" há meses sobre Charlier. Negociações com a cúpula do G-8Teerã nega que esteja interessado em armas nucleares e alertou neste domingo os representantes do G-8 contra qualquer decisão sobre seu programa nuclear sem consulta prévia. "Qualquer decisão da cúpula (do G-8) sobre o Irã - se prematura e incompleta - poderá prejudicar a atual tendência positiva das negociações", disse o ministro de Relações Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki, referindo-se às negociações com a União Européia sobre o pacote de incentivos oferecido ao país para encerrar o impasse sobre seu programa nuclear. "A cúpula do G-8 não será ampla sem a participação e opinião do Irã", disse Mottaki sobre a reunião dos líderes dos países mais ricos que está agendada para começar no próximo sábado, em São Petersburgo (Rússia).O chefe da política externa da União Européia, Javier Solana, e o principal negociador nuclear do Irã, Ali Larijani, se encontram em Bruxelas. Um encontro formal está agendado para terça-feira. Neste domingo, Mottaki reiterou que o Irã dará uma resposta formal à oferta do pacote de incentivos aos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha no próximo mês. Mottaki sugeriu que Teerã planeja negociar alguns aspectos do pacote oferecido. As potências ocidentais querem uma resposta de Teerã sobre os incentivos antes do encontro de cúpula do G-8.

Agencia Estado,

09 de julho de 2006 | 17h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.