Irã propõe troca de urânio, mas faz exigências

O Irã está disposto a trocar suas reservas de urânio por catodos de urânio, como lhe propõe a Organização das Nações Unidas (ONU), mas segundo seus próprios métodos e calendários, disse hoje o primeiro-ministro do país, Manochehr Mottaki. "Sugerimos que, numa primeira fase, nós vamos dar a vocês 400 quilos de urânio enriquecido de 3,5% e vocês nos dão o equivalente em urânio de 20%", afirmou. O Irã, que conta com 1,5 mil quilos de urânio pouco enriquecido, precisa refiná-lo a 20% para operar um reator que produz isótopos com fins médicos.

AE, Agencia Estado

12 de dezembro de 2009 | 21h12

Os Estados Unidos e seus aliados, no entanto, temem que, se continuar desenvolvendo seu programa de enriquecimento de urânio, o Irã fabrique armas nucleares. Teerã nega ser essa a intenção do país.

Em outubro, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) propôs que o Irã retire seu urânio do país, para que ele seja processado na França e na Rússia e convertido em catodos de urânio, que não podem ser transformados em armas.

Os Estados Unidos desconsideraram a oferta iraniana para troca de combustível nuclear. Segundo um alto funcionário norte-americano, ela é inconsistente com o acordo que permitiria à República Islâmica evitar sanções. "A proposta do Irã não parece ser consistente com o esboço de acordo justo e equilibrado proposto pela AIEA em consulta com os Estados Unidos, Rússia e França", disse o funcionário.

Afirmando que a oferta "não tem nada de novo", ele afirmou ainda que o acordo da AIEA pedia que o Irã enviasse 1.200 quilos de urânio de baixo enriquecimento para a Rússia "em um só lote". "Nós continuamos comprometidos com esses termos. Infelizmente, o Irã não deseja se engajar em novas conversações sobre seu programa nuclear", disse o funcionário. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
urânioarmasIrãEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.