Irã qualifica encontro em Genebra como 'produtivo'

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, qualificou hoje o encontro em Genebra entre o Irã e os membros permanentes do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) - Grã-Bretanha, Rússia, França, China e Estados Unidos - mais a Alemanha, o chamado "sexteto", como "produtivo" e notou que houve "melhor comportamento" de alguns dos participantes. Foram os primeiros comentários públicos de Ahmadinejad sobre as negociações sobre o programa nuclear iraniano.

AE, Agencia Estado

07 de outubro de 2009 | 11h39

De acordo com ele, o Irã está disposto a comprar urânio enriquecido a 20% de pureza para seu reator de pesquisa em Teerã de qualquer país, inclusive dos EUA. As negociações da quinta-feira reunindo Irã e o sexteto foram as primeiras em 15 meses. Os governos ocidentais querem garantir que o programa nuclear iraniano é pacífico.

"Eu acho que essas negociações foram um passo adiante e espero que prossigamos na mesma linha a fim de termos cooperação construtiva para resolver todos os temas globais pendentes", afirmou Ahmadinejad, segundo o site da emissora de televisão estatal. Ele disse que o Irã deseja formar com as potências uma "cooperação coletiva e geral sobre temas globais". Para o líder iraniano, as conversas foram "uma boa base para a manutenção das negociações".

Ahmadinejad também apoiou o encontro em Genebra entre o negociador iraniano, Saeed Jalili, e o chefe da delegação norte-americana, William Burns. Ele disse que pretende dialogar com qualquer país, exceto com o "regime sionista" de Israel.

Segunda planta

Durante as conversas em Genebra, o Irã concordou em abrir para visitas sua segunda planta de enriquecimento de urânio, que é construída perto da cidade sagrada de Qom. Inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) irão ao local para avaliá-lo no dia 25. O Irã também se ofereceu a enviar urânio pouco enriquecido para o exterior, a fim de que outro país enriqueça e devolva o material.

No dia 19, deve haver uma reunião entre Irã, França, Rússia e EUA, em Viena, para se discutir como realizar esse enriquecimento em outro país. "Nós compraremos combustível de qualquer país que demonstrar prontidão e os EUA podem ser um desses vendedores", afirmou Ahmadinejad, de acordo com a agência estatal Irna. Segundo ele, Paris fez uma proposta oficial sobre isso, que está sob avaliação.

O processo de enriquecimento de urânio pode ser usado tanto para produzir energia para fins civis como para se fabricar bombas. Teerã diz que seu programa nuclear tem apenas fins pacíficos. No entanto, alguns países, entre eles EUA e Israel, acreditam que os planos do Irã envolvem a construção de armas nucleares. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAhmadinejadGenebra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.