Irã queixa-se à ONU por comentário de Hillary Clinton

O Irã queixou-se formalmente àsNações Unidas na quarta-feira sobre um comentário dapré-candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton de que osEstados Unidos poderiam aniquilar o país islâmico caso promovaum ataque nuclear a Israel. O vice-embaixador do Irã nas Nações Unidas enviou uma cartaao secretário-geral Ban Ki-moon e ao presidente do Conselho deSegurança expressando a condenação do país ao "provocativo,injustificado e irresponsável comentário". Clinton fez a afirmação na semana passada durante campanhapara a nomeação democrata à Casa Branca. A senadora por NovaYork disse querer deixar claro para Teerã que ela estavapreparada para fazer isso se fosse presidente na esperança deque esse alerta poderia intimidar qualquer ataque nucleariraniano contra o Estado judeu. "Eu quero que os iranianos saibam que se eu for presidenteeu atacarei o Irã (se o Irã atacar Israel)", disse Clinton emuma entrevista ao programa "Bom Dia América", da rede ABC. "Nos próximos dez anos, durante os quais seria ingênuoconsiderar um ataque a Israel, nós poderíamos aniquilá-loscompletamente", disse ela. O Irã, que Washington e aliados acusam de tentar fabricararmas nucleares, adotou uma retórica de guerra nos últimos anosem meio a especulações de que suas instalações nuclearespoderiam exigir ações dos EUA e de Israel. Na carta, datada de 30 de abril, o vice-embaixador MehdiDanesh-Yazdi disse querer reiterar a rejeição do Irã a todas asarmas de destruição em massa, incluindo as nucleares. "Além disso, eu desejo reiterar a posição do meu governo deque a República Islâmica do Irã não tem intenção de atacarnenhuma outra nação", afirmou. "Entretanto... o Irã nãohesitaria a agir em legítima defesa para responder a qualquerataque contra a nação iraniana e tomar medidas defensivasapropriadas para se proteger."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.