AFP PHOTO / HO / KHAMENEI.IR
AFP PHOTO / HO / KHAMENEI.IR

Irã quer aumentar centrífugas para enriquecer urânio e Netanyahu diz que plano visa atacar Israel

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, premiê israelense afirmou que o aiatolá Khamenei expressou intenção de destruir o Estado israelense; Teerã alega, no entanto, que suas atividades nucleares são puramente civis

O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 11h26

JERUSALÉM - O Irã disse que notificou a Agência Internacional de Energia Atômica (OIEA) sobre um plano para aumentar o número de centrífugas, usadas para enriquecer urânio. Este processo permite produzir combustível para as centrais nucleares. Altamente enriquecido, o urânio também serve para fabricar uma bomba atômica.

+ Troca de farpas: Israel responde a tuíte de aiatolá iraniano com gif de adolescente ciumenta

+ Netanyahu ordena que gabinete de segurança se reúna em bunker, diz site

Nesta terça-feira, 5, o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, afirmou que o plano iraniano de aumentar sua capacidade de enriquecimento de urânio busca produzir armas nucleares para utilizá-las contra Israel.

+ Com fim do acordo nuclear, inimigos do Irã veem uma oportunidade. Para outros, o risco de guerra

+ Ministro da Defesa de Israel pede que Assad se livre das forças iranianas dentro da Síria

"Há dois dias o aiatolá (Ali) Khamenei, guia supremo iraniano, expressou a intenção de destruir o Estado de Israel", disse Netanyahu em um vídeo divulgado nas redes sociais. 

"Ontem (segunda-feira) explicou como o faria: enriquecendo urânio sem restrições para constituir um arsenal de bombas nucleares", completou. "Não nos surpreende. Impediremos que o Irã produza armas nucleares.”

Israel se considera o principal alvo do Irã se o país adquirir armamento nuclear. Khamenei disse em sua conta no Twitter no domingo que Israel era "um tumor canceroso" no Oriente Médio que deveria ser "erradicado". No entanto, Teerã afirma que suas atividades nucleares são puramente civis.

Netanyahu está em Paris, segunda escala de uma viagem à Europa dedicada principalmente à questão iraniana. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.