Irã quer debater programa nuclear com Ocidente, diz Larijani

O Irã está pronto a entrar em negociações sérias com o Ocidente em busca de um acordo que encerraria a disputa sobre seus planos atômicos, disse nesta segunda-feira, 9, o responsável iraniano pelas negociações nucleares. O Irã rejeitou as exigências da Organização das Nações Unidas de suspender o enriquecimento de urânio, processo que o Ocidente teme estar sendo usado para construir bombas atômicas. Nesta segunda-feira o país anunciou a entrada no "estágio industrial" de produção de combustível nuclear "Hoje, com o ciclo de combustível nuclear completo, estamos prontos para começar negociações reais com o objetivo de chegar a um entendimento", disse Ali Larijani, segundo a agência de notícias Mehr. "Estamos prontos para negociar e chegar a um acordo com os países ocidentais a fim de remover suas preocupações sobre o Irã nuclear, sem colocar fim ao nosso desenvolvimento científico", disse ele em discurso na cidade de Mashhad, no leste do Irã. Tratado de Não-ProliferaçãoO Irã, quarto maior exportador de petróleo do mundo, afirma ter o direito de enriquecer urânio pelo Tratado de Não-Proliferação, mas o Ocidente afirma que antes o país precisa provar que suas intenções são pacíficas.Porém, o país será forçado a reavaliar sua participação no tratado caso enfrente novas pressões relacionados ao seu programa atômico, afirmou Larijani. "Se eles continuarem a pressionar o Irã sobre suas atividades nucleares pacíficas, não teremos outra escolha que não seja obedecer ao Parlamento e reavaliar nossa participação no TNP", disse ele. Questionado se o Irã iniciou a injeção de gás em 3.000 centrífugas de enriquecimento de urânio que estão sendo instaladas na unidade de Natanz, ele disse: "Sim, injetamos gás". Ele, no entanto, não informou quantas das centrífugas já foram instaladas.DebatesAs negociações lideradas pela União Européia para encerrar a disputa fracassaram no ano passado, quando o Irã recusou-se a encerrar o enriquecimento de urânio, dizendo que o processo será usado somente para gerar energia, e não fazer bombas. Alguns debates preliminares foram retomados e autoridades iranianas dizem que o país está aberto a negociações desde que não existam precondições. Com a recusa do Irã, o Conselho de Segurança da ONU impôs sanções ao país. Teerã afirma que essas medidas não tirarão seu programa nuclear, que afirma ser pacífico, dos trilhos. "O Ocidente deve saber que um acordo com o Irã não será feito através de resoluções da ONU e se isso criar tensão, em vez de interação com o Irã, eles devem saber que o Irã mostrará uma séria reação", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.