Irã quer fim de "interferência" da ONU em assuntos nucleares

O Irã requisitou o fim da "interferência" do Conselho de Segurança da ONU em uma oferta feita publicamente nesta terça-feira, 6, em troca de limpar as suspeitas sobre suas contestadas atividades nucleares.Foi uma aparente tentativa de vetar as novas sanções sobre a recusa de Teerã cessar o enriquecimento de urânio.O Irã estava pronto para "negociar (...) para as resoluções dos tópicos da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) sem interferência" do Conselho de Segurança.A declaração, assinada por Ali Ashgar Soltanieh, embaixador do Irã à ONU, também dizia que o país estava pronto para "iniciar uma construtiva (...) negociação". Soltanieh, quando perguntado se seu país temia novas sanções, disse que "nenhum país aceita sanções" porque elas signficam "mais problemas para a população e para a nação", mas adicionou: "Isso não significa que ficaremos assustados".Em esforço para pressionar o Irã a suspender o enriquecimento de urânio, seis importantes embaixadores na Organização das Nações Unidas iniciaram uma semana de negociações sobre possíveis novas sanções nesta terça-feira, mas não parece haver acordo.O diretor-geral da AIEA, Mohamed ElBaradei, afirmou nesta segunda-feira em Viena que não é capaz de determinar a natureza do polêmico programa atômico do Irã, que já dura 4 anos.ElBaradei disse que Teerã aparentemente pausou seu programa de enriquecimento de urânio enquanto o país espera uma nova resolução da ONU. No entanto, uma fonte ligada ao governo iraniano descartou a possibilidade de que esta pausa se torne permanente.O Irã começou a construção de uma instalação nuclear nacional, disse nesta terça-feira o presidente da Organização de Energia Nuclear iraniana, Gholamreza Aghazadeh. "A pedido do presidente (Mahmoud Ahmadinejad), a construção da primeira instalação de energia nuclear doméstica com capacidade de 360 megawatts começou", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.