Irã quer que Ahmadinejad preste contas sobre economia

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, foi alvo de ataques do Poder Legislativo do país neste domingo devido à queda da moeda local nos últimos dias. Os deputados se recusaram a debater a reformulação dos subsídios apresentada por Ahmadinejad e exigiram que ele preste contas sobre a forma como a economia do país é gerida.

PRISCILA ARONE, Agência Estado

07 de outubro de 2012 | 13h42

A agência de notícias Ilna disse que a maioria dos legisladores votou a favor de uma moção para um debate urgente sobre se eles deveriam ou não prosseguir com a segunda fase da reforma, que está no centro das políticas de Ahmadinejad. O objetivo da proposta é substituir progressivamente os subsídios aos combustíveis e alimentos por uma remuneração direta aos pobres.

Mas 179 membros do Parlamento, que tem 240 cadeiras, votaram a favor de uma revisão urgente do projeto, o que efetivamente representa uma paralisação dos trabalhos, em razão da recente queda do rial.

A moeda iraniana perdeu cerca de 25% de seu valor contra o dólar neste mês em razão das sanções internacionais, aplicadas em razão das suspeitas sobre o programa nuclear do país. Segundo críticos de Ahmadinejad, a desvalorização também aconteceu por causa da má gestão da economia.

Outra agência de notícias, a Mehr, citou um deputado não identificado dizendo que 93 legisladores assinaram uma moção para questionar Ahmadinejad sobre a economia do país. Segundo ele, a moção seria submetida ao conselho diretor do Parlamento após ser assinada por 100 parlamentares. Pela lei iraniana, 74 assinaturas são necessárias para convocar o presidente para interrogatório no Parlamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAhmadinejadeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.