Irã quer resolução da Cúpula de Cuba apoiando o seu programa nuclear

O Irã vai buscar o apoio ao desenvolvimento de seu programa nuclear na XIV Cúpula do Movimento de Países Não-Alinhados, que acontece em Havana, com um documento de três pontos, informaram nesta quarta-feira fontes da delegação iraniana. Tanto Fidel Castro, afastado da presidência de Cuba por problemas de saúde, quanto seu irmão Raúl, presidente interino, não apareceram na Cúpula.As fontes, que pediram o anonimato, explicaram à Efe que os pontos defendidos são o direito ao uso da energia nuclear com fins pacíficos, o reconhecimento da colaboração do Irã com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e a defesa da via diplomática e do diálogo.O texto da resolução, segundo a delegação iraniana, será adotado de forma independente dos outros documentos da Cúpula, que começou na segunda-feira e vai até o dia 16. Todos serão submetidos aos ministros de Relações Exteriores a partir desta quarta-feira.O Irã está confiante na aprovação da declaração, que já foi apresentada às delegações dos outros países.A minuta do documento final da Cúpula não inclui uma menção ao caso específico do programa nuclear iraniano, mas faz alusão à questão no capítulo dedicado a "Desarmamento e Segurança Internacional".Um dos parágrafos defende "o direito inalienável dos países em desenvolvimento a participar da pesquisa, produção e uso da energia nuclear com fins pacíficos, sem discriminação".Outro trecho reafirma "a inviolabilidade das atividades nucleares com fins pacíficos" e o reconhecimento de contar com um "instrumento amplo e negociado multilateralmente, que proíba os ataques e a ameaça de ataques a instalações dedicadas à utilização da energia nuclear com fins pacíficos".Cerca de 50 chefes de Estado e de Governo participarão da fase final da Cúpula, entre os dias 15 e 16. Raúl Castro continua ausente da CúpulaRaúl Castro, segundo homem do regime cubano e presidente interino do país, não apareceu ainda na Cúpula dos Não-Alinhados realizada em Havana, mas recebeu nesta quarta-feira o presidente do Laos, um dos primeiros governantes a chegar à ilha para a reunião.Raúl Castro, ministro das Forças Armadas, assumiu a presidência interina de Cuba no dia 31 de julho, quando o chefe de Estado cubano, Fidel Castro, se viu obrigado a delegar provisoriamente o poder enquanto se recupera de uma delicada intervenção cirúrgica.O governo da ilha não revelou se Fidel Castro, oficialmente o chefe da delegação cubana na Cúpula, aparecerá fisicamente na reunião de Havana.Em sua ausência, Raúl Castro exerceria o papel de chefe da delegação do país anfitrião. Mas até agora não compareceu ao Palácio de Convenções, onde se realizam as sessões da Cúpula a portas fechadas.A televisão cubana informou nesta quarta-feira que Raúl Castro recebeu o presidente do Laos, Choummaly Sayasone, para dialogar sobre assuntos bilaterais e o papel do Movimento dos Não-Alinhados na atual conjuntura internacional.As breves imagens da televisão estatal mostram Raúl Castro, ministro das Forças Armadas e general do Exército, usando terno escuro e gravata, no lugar do tradicional uniforme militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.