Irã reitera possibilidade de embargo ao petróleo

O ministro do Petróleo do Irã, Bijan Namdar-Zanganeh, reiterou nesta quarta-feira que seu país irá seguir o Iraque e suspender suas exportações de petróleo se outras nações islâmicas aderirem ao embargo. "Se... outros países islâmicos contribuírem nesta questão, nós o faremos", disse. O ministro iraniano afirmou não haver desequilíbrio no mercado de petróleo, em termos de fundamentos. Acrescentou que as decisões sobre petróleo da Opep na reunião ministerial de junho "dependerão da situação e, hoje, não há razão para que se produza mais petróleo". Zaganeh disse que as tensões políticas e especulações estão direcionando o mercado no momento, embora não haja queda na disponibilidade global de petróleo. Zanganeh chegou a Seul esta manhã para visita de três dias, quando se encontrarão com o ministro da Energia da Coréia do Sul, Shin Kook-hwan e outros representantes da indústria de energia. O ministro sul-coreano deve pedir a Zanganeh ajuda para estabilizar os preços do petróleo cru, os quais avançaram forte recentemente em conseqüência da escalada da tensão no Oriente Médio, informou o Ministério da Indústria, Comércio e Energia.Os dois ministros discutirão também a participação sul-coreana na construção de usinas no Irã e outros assuntos relacionados à energia. O Ministério alertou que, se o Irã seguir o Iraque, a Coréia do Sul enfrentará problemas, já que suas necessidades de petróleo são totalmente supridas por importações. Em 2001, as importações de petróleo iranianas foram equivalentes a 9,4% do total adquirido do mercado externo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.