Irã rejeita negociar programa com potências

Ahmadinejad diz que debate deve ficar restrito à AIEA e nega ter ajudado a Coreia do Norte

REUTERS, AFP E AP, O Estadao de S.Paulo

26 de maio de 2009 | 00h00

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, rejeitou ontem negociar o programa nuclear iraniano com EUA, Grã-Bretanha, Rússia, China, Alemanha e França, afirmando que a discussão deve ser mantida no âmbito da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). As seis grandes potências tentam convencer o Irã a acabar com seu programa nuclear e aguardam uma resposta de Teerã à proposta feita pelo grupo em abril sobre uma possível reunião para negociar a questão."Não permitiremos que ninguém negocie conosco fora das regras estabelecidas pela AIEA", afirmou ontem Ahmadinejad, que voltou a negar que o Irã tenha colaborado com o desenvolvimento nuclear da Coreia do Norte, que anunciou ontem a realização de um segundo teste nuclear. "Por princípio, nos opomos à produção, expansão e uso de armas de destruição em massa."As declarações de Ahmadinejad foram dadas em entrevista coletiva, que inicialmente haviam sido convocadas para comentar as eleições presidenciais no país, marcadas para o dia 12. Contudo, em razão do teste nuclear da Coreia do Norte, a conversa acabou abordando outros temas, como o programa nuclear iraniano e o regime de não-proliferação. No encontro com jornalistas, Ahmadinejad garantiu que não haverá movimentos diplomáticos nem negociações sobre a questão nuclear antes das eleições iranianas. Se for reeleito, o presidente prometeu discutir uma série de assuntos com o presidente dos EUA, Barack Obama, durante a abertura da Assembleia-Geral da ONU, em setembro. FACEBOOKNa mesma coletiva, Ahmadinejad negou que tenha proibido o site de relacionamento Facebook às vésperas das eleições presidenciais, como havia sido divulgado no domingo por uma agência de notícias iraniana."Eu deveria abrir um inquérito para investigar isso", disse, ao ser perguntado sobre o bloqueio ao Facebook. "Eu acredito em máxima liberdade de expressão."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.