Irã rejeita proposta Ocidental sobre programa nuclear

Negociadores iranianos rejeitaram nesta quinta-feira as propostas feitas por representantes do chamado grupo 5+1 (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, mais a Alemanha) para que o país limite seu programa nuclear e exigiram uma resposta à sua contraproposta.

AE, Agência Estado

24 Maio 2012 | 09h19

A situação demonstra as dificuldades enfrentadas durante as negociações nucleares em razão das exigências apresentadas pelos dois lados neste segundo dia de conversações na capital iraquiana.

Apesar disso, não há indícios de que as negociações corram risco de entrar em colapso. A expectativa é de que elas sejam concluídas nesta quinta-feira.

O canal aberto entre o Irã e o bloco de seis países é visto como a melhor chance, dos últimos anos, de melhoria das relações entre Washington e Teerã, além de conter as ameaças de ação militar na região, que têm afetado os mercados de petróleo e elevado os temores sobre a ampliação do conflito no Oriente Médio.

O principal negociador nuclear iraniano, Saeed Jalili, exigiu uma revisão no plano apresentado pelo P5+1 após o início das conversações na quarta-feira.

O objetivo do Irã nas negociações é fazer com que o Ocidente reduza suas sanções, que atingiram fortemente as exportações de petróleo iranianas e efetivamente baniram o país da rede bancária internacional.

Jalili falou sobre seus temores durante uma reunião privada nesta quinta-feira com a chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Catherine Ashton, que lidera formalmente as negociações.

No centro da questão estão duas propostas diferentes. Uma delas é um pacote de incentivos oferecido pelo grupo de potências ocidentais, que tem como objetivo interromper a parte mais sensível da produção de combustível nuclear iraniano.

Já o Irã quer que Estados Unidos e Europa aliviem as sanções econômicas sobre suas exportações de petróleo em troca das promessas de conceder acesso mais amplo aos inspetores da ONU a seu programa nuclear, além de outras concessões.

O Ocidente e seus aliados temem que o programa nuclear iraniano possa levar eventualmente à produção de armas nucleares. Já o Irã afirma que seus reatores têm como único objetivo a produção de energia e a realização de pesquisas.

Um graduado funcionário norte-americano, que falou em condição de anonimato, acredita que as negociações, que tiveram início no mês passado em Istambul, vão se estender pelos próximos meses. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Irã nuclear negociações Bagdá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.