Reuters/Arquivo
Reuters/Arquivo

Irã responderá a ataques dos EUA e de Israel com 'punho de ferro'

Aiatolá Ali Khamenei alerta 'inimigos' de Teerã sobre ação militar contra instalações nucleares

Reuters

10 de novembro de 2011 | 14h55

TEERÃ - O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, alertou os Estados Unidos e Israel nesta quinta-feira, 10, para que não lancem ataques militares contra as instalações nucleares iranianas, argumentando que tal ação seria respondida com "punhos de ferro", segundo informações da televisão estatal.

 

Veja também:

documento BASTIDORES: Independência da AIEA é posta em dúvida

documento PARA ENTENDER: O que diz o relatório da AIEA

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

lista NA ÍNTEGRA: O relatório da AIEA (em inglês)

especialESPECIAL: Tambores de guerra no Oriente Médio

especialESPECIAL: O programa nuclear do Irã

tabela HOTSITE:A tensão entre Israel e o Irã

 

As tensões sobre o programa nuclear iraniano voltaram a ganhar a atenção da comunidade internacional n terça-feira, quando a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgou um relatório afirmando que Teerã estava de fato trabalhando no desenvolvimento de armas atômicas.

 

Além disso, o governo israelense especulou a possibilidade de conduzir ataques contra as instalações nucleares iranianas. O teor do relatório também aumentou a pressão sobre os Estados Unidos para que tomem medidas contra do desenvolvimento atômico iraniano.

 

Nos mais agressivos comentários feitos pelas autoridades iranianas até agora, Khamenei, a mais poderosa figura do Irã, afirmou que a República Islâmica retaliaria qualquer ataque das "nações inimigas", mas acrescentou que o objetivo de Teerã não é dar início a uma "guerra sangrenta".

 

"Nossos inimigos, particularmente o regime sionista, a América e seus aliados, devem saber que qualquer tipo de ameaça ou ataque, ou mesmo planos para qualquer ação militar serão respondidos com firmeza. A Guarda Revolucionária, o Exército e nossa nação vão responder aos ataques com punhos de ferro", disse o aiatolá na televisão estatal.

 

Israel, que o Irã se recusa a reconhecer como Estado, e os Estados Unidos afirmam que consideram todas as possibilidades para deter o programa nuclear iraniano, inclusive ações militares, caso os meios diplomáticos não se mostrem eficazes. Os israelenses afirmam que Teerã e seu projeto atômico são "uma ameaça à paz no mundo".

 

As potências ocidentais acusam o Irã de manter bases de enriquecimento de urânio para a fabricação de armas atômicas, mas Teerã nega e afirma que seu programa nuclear é pacífico. O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) já impôs quatro rodadas de sanções ao Irã, e países ocidentais afirmam que podem acionar o órgão novamente após o relatório.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.