Irã restringe ensino de ciências sociais 'ocidentais'

O Irã impôs restrições ao ensino e a pesquisas acadêmicas que envolvem 12 matérias consideradas baseadas em correntes de pensamento ocidentais e "incompatíveis com os ensinamentos do Islã", informou a rádio estatal iraniana neste domingo.

Agência Estado

24 de outubro de 2010 | 16h02

A lista inclui matérias nas disciplinas de direito, filosofia, administração de empresas, psicologia e ciências políticas, além dos dois assuntos que parecem causar mais preocupação aos aiatolás conservadores da república islâmica: estudos sobre a mulher e direitos humanos.

"O conteúdo dos cursos atuais nessas 12 matérias não está em harmonia com os fundamentos da religião e se baseia em escolas de pensamento ocidentais", declarou o secretário de Educação Abolfazl Hassani em entrevista concedida à rádio estatal.

Com as novas restrições, as universidades iranianas não poderão abrir novos departamentos dedicados ao estudo e ao ensino dessas disciplinas. Enquanto isso, disse Hassani, o atual currículo será reavaliado ao longo dos próximos anos.

No ano passado, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse que essas matérias poderiam gerar dúvidas religiosas. Na ocasião, Khamenei, que detém a última palavra em todos os assuntos de Estado no Irã, conclamou os funcionários da área a estudarem seriamente uma alteração curricular. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãeducaçãorestrições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.