Irã retira embaixador do Bahrein em protesto a repressão contra xiitas

Rival dos sauditas, país persa condena 'violência injustificável' contra adeptos da vertente religiosa

estadão.com.br,

16 de março de 2011 | 17h07

O governo do Irã convocou seu embaixador no Bahrein para consultas nesta quarta-feira, 16, em protesto contra a repressão de manifestantes xiitas que defendem a queda da monarquia sunita no emirado.

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

 

"Para protestar contra o assassinato do povo bareinita pelas mãos de seu governo, o embaixador do Irã em Manama Mehdi Aghajafari foi retirado do Bahrein", diz comunicado oficial do governo persa.  Na linguagem diplomática, retirar o embaixador indica descontentamento.

Mais cedo, o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad classificou a repressão, que até agora deixou dez mortos, como má, injustificável e irreparável.

Em Washington, a Casa Branca informou que o presidente americano, Barack Obama, manifestou sua preocupação com a violência usada contra manifestantes aos reis do Bahrein e da Arábia Saudita.

Há dois dias, tropas sauditas e dos Emirados Árabes Unidos entraram no Bahrein para proteger 'locais de interesse'. O rei Hamad bin Isa al-Khalifa decretou estado de sítio e voltou a reprimir manifestantes que ocupavam a Praça Pérola.  Desde os inícios dos protestos, em fevereiro, 11 pessoas morreram.

Governado por uma monarquia sunita aliada da Arábia Saudita, o Bahrein, tem 70% da população composta por adeptos do xiismo, vertente do Islã que é maioria também no Irã e no Líbano. Teerã e Riad disputam a hegemonia regional.  Etnicamente, no entanto, os iranianos são persas. Libaneses e bareinitas, árabes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.