IRA rompe conversações sobre desarmamento

O Exército Republicano Irlandês (IRA) anunciou hoje a suspensão de todas as negociações com a comissão encarregada de supervisionar a destruição de seu arsenal, em resposta a pedidos generalizados para que o grupo debande. Em comunicado enviado ao semanário Republican News, do partido Sinn Fein, a cúpula do grupo afirma que põe fim ao processo de desarme gradual devido a "um esforço de impor ultimatos inaceitáveis e insustentáveis ao IRA".Além disso, o grupo acusa a Grã-Bretanha de agravar a crise em torno do acordo de paz de 1998, segundo o qual seria estabelecido um governo conjunto católico-protestante e se empreenderia um desarmamento gradual dos grupos envolvidos no conflito da Irlanda do Norte.No último dia 14, o governo britânico retirou o poder do governo conjunto depois que os protestantes exigiram a saída do Sinn Fein, o partido vinculado ao IRA, devido a denúncias de que o grupo armado continuava cometendo ações ilegais.Em seu comunicado, o IRA disse também que a Grã-Bretanha deve fazer mais para que o grupo coopere com os encarregados do desarmamento. Embora não tenha especificado suas exigências, o Sinn Fein publicou esta semana várias reivindicações, que vão de uma redução da presença britânica na Irlanda do Norte a uma reforma radical na polícia da província, predominantemente protestante."O foco está sobre o governo britânico e outros para criar confiança neste processo. Eles podem fazê-lo cumprindo com suas obrigações", afirmou o IRA.O líder do Partido Unionista do Ulster, David Trimble, que também era chefe do governo agora suspenso, afirmou hoje que o último movimento do IRA justifica sua decisão de cessar a cooperação com o Sinn Fein. Ele acusou o IRA e os líderes do Sinn Fein de mentirem repetidamente sobre suas verdadeiras intenções.O Acordo de Sexta-Feira Santa de 1998 contemplava o total desarmamento por parte do IRA até meados de 2000. Os dirigentes protestantes aceitaram incluir o Sinn Fein no governo conjunto, formado no final de 1999.Em dezembro de 1999, o IRA iniciou conversações secretas com uma comissão de desarmamento independente liderada pelo general canadense da reserva John de Chastelin, apontado em 1997 para inspecionar a destruição gradual de estoques de armas mantidos pelo IRA e por gangues protestantes.Sob forte pressão internacional, o IRA finalmente destruiu, em segredo e com a supervisão de Chastelain, pelo menos dois de seus vários depósitos de armas em outubro de 2001 e abril de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.