Irã saúda plano sírio de aderir à convenção de armas

O presidente do Irã, Hasan Rouhani, elogiou nesta sexta-feira a intenção da Síria de ser signatária da Convenção de Armas Químicas e disse que a ameaça do uso da força contra o país deve ser condenada, informou a agência de notícias russa Interfax.

Agência Estado

13 Setembro 2013 | 10h29

"Devemos colocar em prática todos os esforços para chegar a uma solução política para este problema", disse ele, segundo a agência, durante uma reunião da Organização para Cooperação de Xangai em Bishkek, no Quirguistão. "Qualquer ameaça de uso da força deve ser condenada e neutralizada."

Os Estados Unidos pediram uma intervenção militar internacional na sangrenta guerra civil síria após o suposto ataque com armas químicas ocorrido em agosto. Washington responsabiliza o governo sírio pelo ataque.

Rouhani disse que a guerra é uma "catástrofe humana" que só pode ser resolvida por meio de negociações entre o governo sírio e os grupos opositores.

Ele também afirmou que o programa nuclear iraniano segue o tratado de não proliferação de armas nucleares e que seu objetivo é pacífico.

"A natureza pacífica do programa nuclear iraniano pode ser garantida apenas se houver vontade política, respeito mútuo e cláusulas de interesse comum e somente se os direitos do povo iraniano forem protegidos", declarou o presidente iraniano.

O presidente sírio Bashar Assad disse na quinta-feira que seu governo vai enviar nos próximos dias a documentação para assinar a convenção, como primeiro passo para cumprir a proposta russa de colocar as armas químicas russas sob controle internacional.

Rowhani também pediu ajuda a Moscou para ajudar a resolver a crise nuclear iraniana durante encontro com o presidente russo Vladimir Putin no Quirguistão.

"No que diz respeito à questão nuclear iraniana, gostaríamos que este problema seja resolvido o mais rápido possível, dentro dos parâmetros das normas internacionais. No passado, a Rússia empreendeu importantes medidas nesta esfera e agora é a melhor oportunidade para novos passos de nossa parte", disse Rowhani e Putin, segundo a Interfax. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
IrãSíriaarmas químicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.