EFE/EPA/CHRISTIAN BRUNA
EFE/EPA/CHRISTIAN BRUNA

Irã sinaliza que aceita reduzir programa de mísseis para manter acordo nuclear

Segundo fontes do governo iraniano e países ocidentais, a oferta ocorreu durante a Assembleia-Geral da ONU, no mês passado, em Nova York

O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 13h33

TEERÃ - A diplomacia do Irã deu sinais às seis potências responsáveis pelo acordo nuclear assinado em 2015 que aceita discutir uma diminuição de seu programa de desenvolvimento de mísseis balísticos para manter o pacto. A informação, divulgada pela agência Reuters, vem a público um dia depois de a imprensa americana noticiar que  presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recusará a certificação do acordo, apesar de Teerã cumpri-lo.

+ Trump: Irã não respeitou 'espírito' do acordo nuclear 

Segundo fontes do governo iraniano e países ocidentais, a oferta ocorreu durante a Assembleia-Geral da ONU, no mês passado, em Nova York, e foi feita pelo chanceler Mohamed Zarif a representantes do grupo dos seis (Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e China). 

Fontes americanas não confirmam se Zarif fez diretamente a oferta ao secretário de Estado Rex Tillerson quando ambos se encontraram na ONU, mas reconhecem contatos feitos por emissários iranianos, principalmente o sultanato de Omã. 

A oferta, segundo a Reuters, consistiria num “redimensionamento” do programa balístico do país, que, segundo a Casa Branca, fere “o espírito” do acordo nuclear. Trump frequentemente diz que o acordo assinado por Obama, que colocou fim a mais de uma década de impasse nuclear com o Irã, é “ruim". 

Caso o presidente recuse certificá-lo, a decisão caberá ao Congresso. Países europeus criticam as ameaças do Irã em abandonar o acordo, que consideram crucial para a estabilidade do Oriente Médio. Apenas Israel, cujo premiê Binyamin Netanyahu vê Teerã como uma ameaça, respalda o republicano. 

“Os americanos expressaram preocupação com a capacidade balística do Irã e Zarif respondeu que isso poderia ser negociado”, disse uma fonte da chancelaria iraniana à Reuters. “Zarif sabe que se Trump for adiante os Estados Unidos vão se isolar.”

Autoridades americanas que acompanham as negociações disseram que as ofertas “estavam adormecidas há algum tempo”. 

A chancelaria do Irã não comentou a reportagem, tampouco o Departamento de Estado. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.