Irã tem semanas, e não meses, para aceitar proposta, diz França

O Irã tem "semanas, e não meses" para aceitar a proposta francesa de negociação na disputa sobre seu programa nuclear, disse domingo o ministro do Exterior da França, Philippe Douste-Blazy.A proposta prevê que durante as negociações, o Irã suspenda seu programa de enriquecimento de urânio, e, em troca, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha abririam mão de adotar sanções contra o país.Caso o Irã rejeite a oferta, haverá "uma nova dinâmica" no Conselho de Segurança, com os iranianos "totalmente isolados" e os seis países, incluindo Rússia e China, "unidos", advertiu Douste-Blazy.Douste-Blazy não quis revelar o prazo dado ao Irã.O alto representante europeu de política externa e de segurança comum, Javier Solana, tem reunião prevista com o negociador nuclear do Irã, Ali Larijani, para esta semana.Os EUA deram aos europeus um prazo até o início de outubro para obter resultados, antes de apresentar no Conselho de Segurança seu pedido de sanções contra o Irã.Fontes diplomáticas indicaram que representantes diplomáticos envolvidos no conflito discutiram na última sexta-feira possíveis sanções, que impõem um embargo sobre financiamento, transferência de tecnologia e serviços, além da negação de vistos a cientistas iranianos."Acho que estamos chegando ao momento da verdade", advertiu hoje Douste-Blazy."Há um ano que tentamos chegar a uma solução negociada, que dizemos (ao Irã) que deve parar com suas atividades de enriquecimento de urânio e começar a negociar", disse.O contato agora está "estabelecido" entre Larijani e Solana, "o único negociador por parte da comunidade internacional".O Irã afirma que seu programa nuclear tem fins civis, enquanto que os Estados Unidos e outros países suspeitam que o país deseja produzir armas nucleares.Após indicar que o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse hoje que está disposto "a conversar e negociar", Douste-Blazy disse que espera que o país saiba "conservar a razão, e não queira isolar-se".O Conselho de Segurança da ONU tinha dado ao Irã um prazo até o dia 31 de agosto para suspender o enriquecimento de urânio, sob pena de sanções.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2006 | 17h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.