Hassan Mousavi/AFP
Hassan Mousavi/AFP

Irã testa mísseis de médio alcance

País definiu manobras militares após embargo da União Europeia ao petróleo exportado

estadão.com.br,

03 de julho de 2012 | 08h50

Texto atualizado às 15h47

DUBAI - O Irã disse nesta terça-feira,3, que testou mísseis de médio alcance em resposta às ameaças de uma ação militar contra o país, informou a imprensa iraniana.

Veja também:

linkIrã anuncia teste de mísseis e ameaça fechar Estreito de Ormuz

linkIrã toma medidas desafiadoras diante de novas sanções

blog Sanções ao Irã também servem para conter Israel

Segundo informações da emissora iraniana em língua inglesa Press TV, um dos mísseis lançados, o Shahab 3, tem alcance de 1300km e é capaz de atingir Israel. "O principal objetivo desse exercício é demonstrar a vontade política de defender os valores vitais e interesses nacionais", disse o vice-comandante da Guarda Revolucionária, Hossein Salami, à Press TV.

Salami declarou também que os testes foram em resposta aos inimigos do país, que dizem ter uma opção militar para a solução do conflito. "As manobras são uma resposta às palavras rudes proferidas contra o Irã", disse o vice-comandante à agência de notícias iraniana Fars.

De acordo com a Fars, dezenas de mísseis foram disparados contra bases aéreas simuladas e aviões teleguiados devem ser testados na quarta-feira. Analistas, no entanto, contestam algumas declarações militares do Irã, dizendo que o país repetidamente exagera suas capacidades.

Os testes militares e outras atitudes do Irã sobressaltam o mercado mundial de petróleo. Na segunda-feira, parlamentares iranianos propuseram uma lei exigindo que o país tente bloquear o trânsito de navios que passem pelo estreito de Ormuz, única entrada do Golfo Pérsico, levando petróleo para nações que apoiam as sanções.

Analistas dizem que o projeto só deve virar lei se tiver o aval da líder supremo do país, aiatolá Ali Khamenei.

Reações

Israel declarou que pode atacar o Irã, caso a diplomacia fracasse em obrigar o país a suspender o programa de energia nuclear. Os Estados Unidos também pretendem usar a força militar como último recurso, mas autoridades americanas têm insistido para que os israelenses sejam pacientes, enquanto novas sanções contra o Irã pressionam o Irã.

A República Islâmica anunciou as manobras militares chamadas de Grande Profeta-7 no domingo, após um embargo da União Europeia ao petróleo exportado pelo Irã. Elas contarão com dezenas de mísseis.

Armas nucleares

O pesquisador do Instituto Internacional de Pesquisa em Paz de Estocolmo Pieter Wezeman disse que os mísseis do Irã são limitados no caso de uma guerra, tendo "utilidade apenas como instrumento de terror e nada mais que isso". Wezeman acrescentou, no entanto, que eles poderiam ser adequados para carregar ogivas nucleares, especialmente as maiores.

O Instituto Internacional de Estudos Estratégicos afirmou em um Relatório de 2010 que todos os mísseis balísticos de Teerã são capazes de transportar uma carga nuclear, se o país for capaz de produzir uma bomba pequena o suficiente.

O Irã nega as acusações ocidentais de que esteja buscando desenvolver armas nucleares. O quinto maior exportador do mundo afirma que está enriquecendo urânio apenas para gerar mais energia para uma população que cresce rapidamente.

Com agências de notícias

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.