Irã usa Brasil para tentar driblar 'gelo' internacional

O Irã não esconde que a aproximação com o Brasil tem um motivo estratégico: mostrar que o governo de Mahmoud Ahmadinejad não está isolado e provar que a pressão em relação a seu programa nuclear vem dos países ricos. Nesta semana, Teerã concluiu parte de um acordo comercial entre países emergentes, liderados pelo Brasil.

AE, Agencia Estado

05 de dezembro de 2009 | 09h05

Para um dos membros do gabinete de Ahmadinejad, que pediu para não ser identificado, os sinais do Brasil em relação a Teerã comprovam que o regime dos aiatolás "não está isolado". "O Brasil é a prova de que não somos um Estado pária", disse. "Mostramos que não estamos sozinhos. A pressão não vem de todos os lados."

"O que o acordo comercial mostra é que existe, de fato, uma cooperação entre os países emergentes", afirmou o ministro do Comércio do Irã, Mehdi Ghazanfari, um dos poucos líderes a participar da coletiva de imprensa em Genebra.

Aos jornalistas, Ghazanfari não escondeu seu entusiasmo com a relação bilateral. "Há um grande potencial na aproximação política entre Brasil e Irã. Ela é boa e seu futuro será ainda melhor", disse. Membros da equipe econômica do Irã admitiram que a aproximação com o Brasil "vem em um momento muito importante para o país". O Brasil, porém, vem pedindo que o Irã mantenha o diálogo com a comunidade internacional e Amorim disse, esta semana, que a questão nuclear iraniana "preocupa". Para o chanceler, porém, o reforço das sanções não é a solução. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.