ATTA KENARE / AFP
ATTA KENARE / AFP

Irã vai mudar o nome e cortar quatro zeros de sua moeda

O rial iraniano não para de perder valor desde o ano passado, após o governo Trump tirar os EUA do pacto internacional sobre o programa nuclear iraniano

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2019 | 15h34

TEERÃ - O Irã aprovou, nesta quarta-feira, 31, a retirada de quatro zeros de sua moeda nacional, o rial, além de mudar seu nome para toman, que já é usado por muitos iranianos, para lidar com a desvalorização e facilitar as transações comerciais.

"O gabinete aprovou hoje (quarta-feira) um projeto de lei que prevê tirar quatro zeros da moeda e tornar o 'toman' nossa moeda nacional", declarou à imprensa o porta-voz do governo, Ali Rabiei.

O rial iraniano não para de perder valor desde o ano passado. Há três anos, 1 dólar valia 37 mil moedas iranianas, mas no ano passado a cotação chegou a 180 riais por dólar.

A queda é uma consequência da saída dos Estados Unidos do acordo internacional de 2015 - que suspendia parte das sanções econômicas em troca de frear o programa nuclear iraniano -, além das novas sanções impostas pelo governo de Donald Trump.

Atualmente, 1 dólar vale cerca de 120 mil riais, apesar de o câmbio oficial ser de 42 mil. 

Isso significa que as pessoas que não usam cartão precisam carregar grandes maços de dinheiro para as compras do dia a dia. Um suco de fruta, por exemplo, custa 200 mil riais. 

Por isso, para simplificar as transações, os iranianos adotaram o nome de "toman", uma moeda que tem o mesmo valor que o rial, mas com um zero a menos atualmente. 

O governo decidiu levar essa prática já existente em conta na decisão, que agora precisa passar pelo Parlamento para ser aprovada. "Isto tornará a moeda nacional mais eficaz", afirmou o porta-voz do governo.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê uma retração da economia do Irã de 6% este ano devido às sanções e à instabilidade no Oriente Médio. /AFP 

Tudo o que sabemos sobre:
Irã [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.