Don Emmert/AFP
Don Emmert/AFP

Irã vai retomar 'automaticamente' compromissos nucleares se EUA levantarem sanções, diz ministro

Ministro das Relações Exteriores do país, Javad Zarif, afirmou que rodadas de negociação não serão necessárias se governo de Joe Biden retirar sanções

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2020 | 10h35

TEERÃ - O Irã pode voltar a aplicar "automaticamente" os compromissos nucleares assumidos perante a Organização das Nações Unidas (ONU), se o futuro governo dos Estados Unidos liderado por Joe Biden levantar as sanções contra Teerã, declarou o ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif.

"É algo que pode ser feito automaticamente", disse Zarif ao jornal estatal Iran. E completou: "Os Estados Unidos podem respeitar seus compromissos (...) e nós respeitaremos os nossos (...). Não é preciso negociar nem estabelecer condições para isso", acrescentou.

"Se os Estados Unidos respeitarem a resolução (2231 do Conselho de Segurança da ONU), se as sanções forem levantadas e não houver nenhum obstáculo para as atividades econômicas do Irã, então o Irã, tal e como anunciou, respeitará seus compromissos em matéria nuclear", continuou.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que deseja mudar a política de "pressão máxima" contra o Irã implementada pelo governo de Donald Trump.

Os Estados Unidos saíram unilateralmente, em maio de 2018, do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano assinado em Viena três anos antes. Trump impôs novamente as antigas sanções americanas contra o Irã e acrescentou outras novas.

Enquadrado na resolução 2231, o Acordo de Viena oferece a Teerã um alívio de suas sanções internacionais em troca de garantias, verificadas pela ONU, de que seu programa nuclear não tenha finalidades militares.

Desde que as sanções voltaram a ser aplicadas, o Irã mergulhou em uma grande recessão. Como resposta, Teerã foi-se desvinculando dos compromissos que adquiriu ao assinar este acordo, embora sempre tenha-se mostrado disposto a cumprir suas obrigações, se os Estados Unidos deixassem de aplicar as sanções.

"É muito bom que Biden queira voltar" ao Acordo de Viena, mas "é preciso esclarecer que o Irã não aceitará condições", disse Zarif nesta quarta-feira, 18./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.