Irã volta a repudiar acusações americanas

O Irã rejeitou acusações americanas de que estaria abrigando membros da rede extremista Al-Qaeda, comandada pelo milionário saudita no exílio Osama bin Laden, e de que estaria tentando obter armas de destruição em massa. "A repetição dessas acusações sem fundamento não pode ser qualificada como válida ou digna de crédito", disse Hamid Reza Asefi, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, de acordo com declarações publicadas pela Agência de Notícias da República Islâmica.Ontem, o secretário da Defesa dos EUA, Donald H. Rumsfeld, insistiu que o governo de seu país "sabe que há líderes da Al-Qaeda no Irã". Rumsfeld não revelou a identidade de quais membros da Al-Qaeda os Estados Unidos suspeitam que estejam no Irã. No entanto, outros funcionários americanos disseram que os líderes da organização extremista seriam Saif al-Adil, chefe de segurança e inteligência da Al-Qaeda; Saad bin Laden, filho de Osama; e Abu Hafs, um religioso.Em fevereiro, o chanceler iraniano Kamal Kharrazi anunciou que seu governo havia prendido e deportado mais de 500 suspeitos de ligação com a Al-Qaeda que tinham entrado ilegalmente no país. "A República Islâmica do Irã, seguindo seus princípios, é muito séria e firme com relação ao combate ao terrorismo. Além disso, seu programa nuclear é transparente e restrito a fins pacíficos", garantiu o porta-voz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.