Iraniano diz que EUA insultaram Turquia, Brasil e Irã

O Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) e os Estados Unidos "insultaram" o Irã, a Turquia e o Brasil, ao imporem novas sanções contra o Irã, apesar do acordo para troca de combustível nuclear fechado entre os três países, disse o líder do Parlamento do Irã, Ali Larijani.

ANDRÉ LACHINI, Agência Estado

20 de julho de 2010 | 17h33

Larijani afirmou que o primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, receberam cartas do presidente dos EUA, Barack Obama, pedindo por ajuda no impasse. Por causa disso, "nós podemos tomar um novo caminho" na questão nuclear, disse. Quando Turquia, Brasil e Irã anunciaram o acordo de troca de combustível nuclear, em maio, Washington expressou reservas.

Sob o acordo assinado em 17 de maio, Teerã iria transportar cerca de metade do seu urânio com baixo enriquecimento à Turquia, e meses depois receberia um suprimento mais enriquecido para ser usado como combustível no reator de pesquisas médicas. Os EUA também lideraram o impulso no Conselho de Segurança por novas sanções contra o Irã.

Questionado sobre as relações entre o Irã e a Rússia, após Moscou ter apoiado as sanções da ONU, Larijani disse: "A relação que nós temos com a Rússia é normal". Mas ele ressaltou que é contra o comunicado feito na semana passada pelo presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, pedindo que o Irã dê explicações sobre suas ambições nucleares e coopere com a comunidade internacional. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãquestão nuclearEUABrasilTurquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.