Iranianos capturam 15 militares britânicos no Golfo Pérsico

Detonando uma crise diplomática que pode agravar a instabilidade no Oriente Médio, forças iranianas capturaram 15 integrantes da Marinha Real Britânica durante uma patrulha no Golfo Pérsico nesta sexta-feira, 23, informaram funcionários do Reino Unido e dos EUA. De acordo com as informações dos dois países, os marinheiros e fuzileiros navais britânicos participavam de uma operação de vigilância fronteiriça em águas iraquianas, inspecionado um navio mercante. Os iranianos, entretanto, argumentam que a embarcação britânica havia invadido suas águas.Segundo os relatos, os militares foram cercados e rendidos por seis embarcações da Guarda Revolucionária Iraniana. Não houve troca de tiros.O incidente amplia as tensões em torno do Irã, que já está sob pressão internacional e até sob ameaça de ataque dos Estados Unidos, uma vez que o Conselho de Segurança da ONU discute um projeto de resolução que amplia as sanções econômicas ao país. Teerã se recusa em suspender seu programa de enriquecimento de urânio, atividade que países ocidentais suspeitam ser parte de um plano secreto para o desenvolvimento de armamentos nucleares. Entre as medidas previstas está o congelamento dos ativos financeiros iranianos no exterior. Além disso, os EUA - principal aliado militar do Reino Unido - acusam o Irã de fornecer armas e pessoal para insurgentes e terroristas iraquianos.De acordo com um comunicado oficial do Reino Unido, o Ministério das Relações Exteriores do país europeu convocou o embaixador do Irã em Londres e exigiu a libertação imediata dos militares. Em recesso por causa do feriado de Ano Novo persa, o governo iraniano não comentou o incidente. "Estamos tratando dessa questão em caráter de urgência junto às autoridades iranianas nos mais altos escalões e, por ordem do ministro das Relações Exteriores, o embaixador iraniano foi convocado a comparecer junto ao Ministério das Relações Exteriores. O governo britânico exige a liberação imediata e em segurança de nosso pessoal e equipamento", diz o texto do ministério.Depois do incidente, o preço do barril do petróleo elevou-se para US$ 62.PescadorAinda não está claro onde, de fato, o incidente ocorreu. De acordo com um pescador iraquiano ouvido pela Reuters, os britânicos teriam sido abordados no canal Shatt al-Arab, região que marca a fronteira sul do Iraque com o Irã. O pescador, que não quis ter sua identidade revelada, disse que os militares estrangeiros estavam em duas embarcações pequenas que haviam parado para inspecionar navios iranianos na área do canal conhecida como Siban, perto da península al-Faw (na parte norte do golfo Pérsico).Quando os marinheiros e fuzileiros entraram em um dos navios, ao menos duas embarcações iranianas apareceram no local. EUAFuncionários americanos expressaram a preocupação de que o pequeno incidente saia do controle e resulte em um confronto de maiores proporções. A região conta com uma grande concentração de aparato militar.Segundo o porta-voz oficial da Casa Branca, Tony Snow, a administração americana está monitorando a situação. Principal aliado militar do Reino Unido, os Estados Unidos ampliaram suas forças navais no Golfo Pérsico nos últimos meses, em uma demonstração de força direcionada ao Irã. Dois porta-aviões americanos - apoiados por mais de 6,5 mil marinheiros e fuzileiros navais - chegaram à região no começo do ano. Em declarações recentes, o vice-presidente americano, Dick Cheney, disse que todas as opções estavam na mesa para conter as pretensões nucleares do iranianas.Outros incidentesO acontecimento desta sexta-feira é semelhante ao ocorrido em 2004, quando oito militares britânicos passaram três noites nas mãos da Guarda Revolucionária do Irã antes de serem libertados. Naquela ocasião, os iranianos acusaram-nos de invadir águas do Irã, algo que a Grã-Bretanha contestou.Matéria corrigida e ampliada às 14h16

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.