Iranianos comemoram 28º aniversário da Revolução Islâmica

Milhares de iranianos iniciaram neste domingo uma marcha em Teerã e em outros pontos do país para comemorar o 28º aniversário da Revolução Islâmica, que em 1979 desembocou no retorno ao país do aiatolá Ruhola Khomeini.Muitos moradores da capital começaram a marchar às 9h30 (4 horas em Brasília) em direção à praça central de Azadi (A Liberdade), para participar da celebração, destinada a mostrar o compromisso do povo iraniano com os ideais do instaurador da República Islâmica.Os participantes cantavam slogans em apoio à Revolução Islâmica e em defesa ao direito do Irã de produzir energia nuclear com fins pacíficos.Segundo a agência oficial de notícias "Irna", os participantes da marcha de Teerã levavam um cartaz de sete quilômetros assinado por estudantes de colégios e universidades de diferentes cidades, na qual condenam a resolução 1.737 do Conselho de Segurança da ONU contra as atividades nucleares do país.Alguns manifestantes levavam imagens de Khomeini e outros cartazes nos quais se podia ler frases contras os Estados Unidos e Israel.O Aiatolá Khomeini foi detido em 1963 pelas forças de segurança do Xá Mohamad Reza Pahlevi por opor-se às medidas liberalizadoras que este estava realizando no país e que qualificou de contrárias ao Islã.Um ano mais tarde, foi expulso para a Turquia, mas as autoridades do país não o aceitaram e foi deportado ao Iraque, de onde foi novamente expulso, desta vez com destino à França.Khomeini chegou ao país francês em outubro de 1978 e se instalou nas proximidades de Paris.De seu exílio, Khomeini seguiu lutando contra o regime do Xá e as gravações de seus discursos foram utilizadas pelos grupos da oposição no Irã.Em 16 de janeiro de 1979, o Xá e sua família abandonaram o Irã e apenas duas semanas mais tarde, em 1º de fevereiro, Khomeini aterrissou no aeroporto da capital.Quatro dias depois, Khomeini designou um novo Governo e proclamou no país a República Islâmica.Khomeini guiou a República Islâmica com firmeza até sua morte, em 3 de junho de 1989.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.