Iranianos detidos por vídeo de 'Happy' recebem sentença

Jovens foram condenados a seis meses de prisão e a 91 chicotadas cada um; pena foi comutada para liberdade condicional

Estadão Conteúdo

19 de setembro de 2014 | 16h25

Sete jovens iranianos que gravaram um vídeo caseiro dançando a canção "Happy", do cantor norte-americano Pharrell Williams, receberam sentença de prisão e chicotadas que foi comutada para liberdade condicional. Segundo o advogado dos réus Farshid Rofugaran, os jovens foram condenados a seis meses de prisão e a 91 chicotadas cada, mas só terão os veredictos cumpridos se cometerem algum crime e forem considerados culpados nos próximos três anos.

O caso recebeu atenção internacional quando os jovens foram detidos em maio por participar da produção audiovisual considerada "indecente" pela justiça conservadora do Irã. O vídeo publicado na internet mostra três jovens iranianas sem os seus véus obrigatórios, ao lados de três iranianos. Todos vestem óculos escuros e roupas divertidas e dançam em diferentes locais da cidade. Os envolvidos no vídeo foram soltos rapidamente, mas as prisões foram alvo de críticas. O autor da canção, Pharrell Williams, publicou em sua conta no Twitter que os jovens "foram presos apenas por tentar espalhar alegria".

O advogado explicou que a sentença foi dada porque jovens atuaram no vídeo ignorando normas islâmicas. "As ações dos meus clientes são contrárias as exigências religiosas, mas não são crimes que merecem punição legal", afirmou Rofugaran à Associated Press.

"A parte ''feliz'' é que conseguimos a liberdade condicional, os veredictos não serão cumpridos a não ser que meus clientes sejam considerados culpados por uma corte judicial nos próximos três anos", explicou.

Rofugaran afirmou que soube do veredicto pelo escritório do juiz responsável pelo caso e espera um anúncio formal em breve. Após a declaração oficial da sentença, o advogado vai ter 20 dias para recorrer da decisão.

As leis da república do Irã não permitem que homens e mulheres dancem em público e proíbem as mulheres de aparecer publicamente sem cobrir o cabelo com véu. O chefe de polícia iraniana Hossein Sajedinia disse que o vídeo é "vulgar" e "ofende a castidade pública", pedindo que a juventude do país evite esse tipo de comportamento.

Os políticos mais conservadores do Irã acusaram o presidente Hassan Rouhani pelo fracasso em impedir a invasão da cultura ocidental "decadente" no país. Enquanto o atual presidente segue uma tendência de abertura social e política, a ala conservadora do Irã diz que o governo tem que ser mais duro com aqueles que desafiam as interpretações mais rigorosas das leis islâmicas. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IrãjovensHappysentença

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.