AP Photo/Francisco Seco
AP Photo/Francisco Seco

Iranianos usam Brasil como forma de chegar até a Europa

Grupos cobram 20 mil euros para uma rota que inclui Irã, Turquia, Emirados, Brasil, Bolívia, Paraguai e Espanha

Jamil Chade CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S. Paulo

29 de março de 2017 | 12h32

GENEBRA - Investigações realizadas pela Agência de Fronteiras da Europa (Frontex) e serviços policiais espanhóis revelam que refugiados e imigrantes iranianos estão usando o território brasileiro para driblar barreiras e chegar até a Europa, principalmente para voar com passaportes falsos para aeroportos da Espanha. 

Os números não são revelados, já que as polícias europeias admitem que não sabem quantos conseguiram acesso a documentos falsos e não foram identificados. Mas as estimativas apontam que "dezenas" teriam usado a rota. Um grupo de pelo menos 19 pessoas foi detido em diversas cidades espanholas no segundo semestre de 2016 organizando passaportes falsificados e o roteiro sul-americano desses imigrantes. 

De acordo com a Frontex, apesar de um clima mais positivo em relação à situação no Irã e o fim de algumas das sanções internacionais, o número de pedidos de asilo por parte de iranianos na Europa aumentou em 50% entre 2015 e 2016, principalmente no Reino Unido e na Alemanha.  Além disso, o número de pedidos no continente europeu já é maior que o volume de entradas ilegais de iranianos. 

Mas o que as investigações revelaram é que rotas alternativas foram estabelecidas para permitir que os iranianos conseguissem chegar até um aeroporto europeu. A porta de entrada, longe das fronteiras tradicionais do Leste do bloco, passou a ser Madri. 

De acordo com a Frontex, grupos de iranianos passaram a deixar o país, viajar até a Turquia. De lá, voavam para os Emirados Árabes ou Catar. A próxima etapa era um voo direto para São Paulo ou para o Rio de Janeiro.

Seria principalmente no Brasil que documentos falsificados eram entregues aos grupos que depois de alguns dias nas cidades brasileiras voavam para Assunção ou La Paz. Já com novas identidades, os iranianos embarcavam para a Europa, usando a rota direta de Madri. 

Segundo a Frontex, os iranianos representam já um dos maiores grupos identificados em aeroportos com documentos falsos. Um a cada quatro iraniano que foi pego com documentos falsos vinha, na realidade, de outros países que não o seu, o que revela a tentativa de burlar os controles e o sistema criado para receber os passaportes falsos já fora de seus países.

Apesar da ausência de dados sobre quantos conseguiram entrar na Europa usando essa rota, a polícia do Velho Continente admite que o sistema pode ter permitido o acesso a "dezenas de iranianos". 

Além da rota sul-americana, eles ainda passaram a usar o território turco para voarem até aeroportos menores - e com controle mais relaxado - da Espanha. No Reino Unido, por exemplo, um total de 500 iranianos foram detidos nos aeroportos em 2016 com passaportes falsos. 

Já no Espaço Schengen, área de fronteiras comuns entre os países europeus, foram 375 casos de passaportes falsos descobertos com iranianos em 2016; em 2014 foram 263 casos. 

De acordo com a Frontex, a expulsão de iranianos vivendo de forma irregular pela Europa aumentou de forma substancial. Em 2013, foram 2,7 mil casos de deportações. No ano passado, essa taxa chegou a 6,9 mil. 

No caso da rota sul-americana, ela foi descoberta depois que a Polícia Nacional da Espanha prendeu, em meados de 2016, quatro pessoas em Madri, Barcelona e Girona responsáveis por organizar a rota. Para sair do Irã e chegar à Europa, via Brasil, o grupo cobrava 20 mil euros de cada um dos imigrantes. Um dos presos trabalhava até mesmo como intérprete em tribunais espanhois, responsáveis por julgar casos de iranianos que falassem apenas farsi. 

Segundo as investigações, era a partir do contato que tinha com a administração pública espanhola que o iraniano fazia seus contatos para permitir a viagem dos imigrantes. 

As prisões iniciais deram pistas sobre o que parecia ser um grupo ainda maior e, nas semanas seguintes, 15 pessoas foram presas por falsificar documentos em diversas cidades da Espanha. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.