Iraque acusa Estados Unidos de mentirem para justificar ataque

O governo do Iraque acusou hoje os Estados Unidos e a Grã-Bretanha de mentirem para justificar umataque, ao mesmo tempo em que promovia uma visita com jornalistas numa tentativa de refutar acusações de que o presidente Saddam Hussein está reconstruindo locais vinculados no passado a armamentos nucleares e treinamento de terroristas.Esta última, que durou cerca de duas horas, elevou a seis o número de visitas realizadas pela imprensa no último mês. Críticos dizem que especialistas em programas de armas nucleares biológicas e químicas - e não jornalistas - deveriam receber autorização de acesso aos locais em questão.O chefe de uma equipe da ONU sobre armamento atômico, Jacques Baute, disse na última sexta-feira que imagens de satélite mostravam novas construções em vários lugares que eram relacionados no passado a armamentos. Baute não identificou os locais em seus comentários.O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, o principal aliado do presidente norte-americano George W. Bush, juntamente com Israel, em sua campanha contra o Iraque, citou tais imagens comoprova de que Saddam possui um programa de armas de destruição em massa.Hoje, o chanceler iraquiano, Naji Sabri, afirmou a jornalistas que as declarações de Blair e Bush "são pretextos para... uma agressão a nosso país, eles sabem que são falsos pretextos, falsas acusações. Pedimos para que eles apresentem evidências, a mínima que for, dessas acusações". Sabri disse também que as obras nos locais suspeitos são destinadas a pesquisas pacíficas.Os jornalistas foram conduzidos a visitar as construções em uma instalação nuclear, a mesma que motivou a preocupação dos inspetores de armas da ONU no passado. O local fica em Al-Twaitha, 40 quilômetros ao sul de Bagdá. O lugar foidestruído duas vezes, primeiro pelos israelenses em 1981 e depois pelos aliados durante a Guerra do Golfo Pérsico (1991).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.