Iraque afirma ter abortado 140 atentados da Al Qaeda

O Ministério do Interior iraquiano anunciou neste sábado que suas forças de segurança abortaram um total de 140 dos 800 atentados cometidos nos últimos três anos pela organização terrorista Al Qaeda. O anúncio foi feito em uma nota, em resposta às declarações do número dois da Al Qaeda, o egípcio Ayman al-Zawahiri, em comunicado divulgado na madrugada passada em uma fita de vídeo veiculada na internet. Na nota, o Ministério iraquiano diz que al-Zawahiri é um "terrorista criminoso", já que "um total de 500 dos 800 ataques da Al Qaeda no Iraque objetivaram alvos civis, como lugares de culto, escolas, mercados, universidades e instituições governamentais e de serviços. Nesses atentados, nos quais os terroristas usaram carros-bomba e cintos com cargas explosivas, milhares de inocentes morreram, a maioria crianças, mulheres e idosos, segundo a nota. O comunicado do ministério adverte que a Al Qaeda, com esses ataques terroristas, tenta incentivar a violência sectária entre todos os grupos e comunidades do Iraque, a fim de gerar uma guerra civil. Além disso, o Ministério do Interior iraquiano pede que todos os países não se deixem convencer pelas justificativas alegadas pelos "criminosos", e pede para "desmascará-los e purificar a religião islâmica de sua contaminação e desprestígio". "As forças de segurança iraquianas continuarão os perseguindo, até acabar com eles e conseguir a vitória", conclui a nota. O braço iraquiano da Al Qaeda, liderado pelo foragido jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, assumiu a autoria da maior parte dos mais fatais atentados cometidos nos últimos três anos no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.