Iraque ainda faz mistério sobre destruição de mísseis

Demetrius Perricos, principal representante do chefe dos inspetores de armas da ONU, Hans Blix, viajou hoje para Bagdá, enquanto o regime de Saddam Hussein vê se aproximar o prazo final para obedecer à ordem de destruir seus mísseis Al Samoud 2. Perricos foi enviado ao Iraque para discutir ?o ritmo da destruição? das armas, que o governo iraquiano está proibido de possuir desde 1991, ao final da Guerra do Golfo. Ao longo desta semana, Saddam Hussein vem se recusando a afirmar que obedecerá à ordem das Nações Unidas.Em Nova York, um diplomata da ONU disse que o Iraque aceita, ?em princípio?, destruir as armas. Desarmar os Al Samoud 2 se tornou o principal teste da credibilidade das alegações de Saddam, de que está disposto a obedecer à resolução 1441 do Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas, que determinou ao Iraque apresentar e desativar todas as armas de destruição em massa em seu poder. Duas autoridades do setor de defesa dos Estados Unidos informaram, sob condição de anonimidade, que a inteligência americana detectou que Saddam havia reposicionado tropas de elite ao redor de sua cidade natal, Tikrit, 160 km ao norte de Bagdá.Viajantes testemunharam dúzias de tanques sendo carregados em caminhões a partir de Mosul, na direção de Tikrit. Tanto tanques quanto artilharia antiaérea foram colocados em uma longa cadeia de trincheiras profundas, com apenas suas torres de armas aparecendo, nas proximidade da cidade de Saddam.Saddam, seu filho Qusai, o ministro da Defesa e o ministro da Indústria Militar se reuniram hoje com soldados e pesquisadores militares que prometeram não deixar a liderança esmorecer, informou a agência de notícias oficial do Iraque.Especialistas sul-africanos em desarmamento, que visitam o Iraque, disseram-se convencidos que o país está fazendo o melhor possível para desarmar-se, e pediram ao CS para dar mais tempo às inspeções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.